Quem somos?

Somos dois amigos de longa data com um interesse comum por políticas públicas - isto é, por assuntos que dizem respeito à convivência em sociedade - através de um viés de livre mercado. Estudamos na mesma escola, em Porto Alegre, e, sempre que dava, já travávamos intensos debates. 

Nosso objetivo, com esse podcast, é trazer uma visão menos hegemônica sobre assuntos cotidianos relacionados a política, economia e sociedade, mas evitando ao máximo discursos emocionais ou ideológicos. Para nós, a discussão que interessa é aquela onde quem brigam são as idéias, e onde as armas são os argumentos e os fatos. 

No episódio de estréia, falamos mais sobre nós e a motivação que nos faz gravar o 20 Centavos todas as semanas.


Jorge Vasquez

Engenheiro eletricista de formação, desenvolvedor de software por prática e debatedor por paixão. Pai o tempo todo.

Presidi o IFL-SP e continuo associado a este instituto, que acredita que os valores da liberdade são os melhores para uma sociedade mais próspera para todos. No meu “lado A”, trabalho na divisão de Web Services da Amazon (AWS), em Seattle.

Minha utopia é o anarco-capitalismo, um mundo sem a divisão entre governantes e governados, sem a violência institucionalizada. Não sei como será esse mundo, nem mesmo se dá para ir até lá, mas sei que, se caminharmos em direção ele, chegaremos a uma realidade melhor.

 

Solon Brochado

Ex-piloto de avião, jornalista de formação, publicitário de profissão. Adoro ter opinião sobre as coisas, quase sempre sem nenhum conhecimento formal para tanto.

Não professo fidelidade a nenhuma escola política ou econômica. Nunca me filiei a partidos, não faço parte de nenhum tipo de agremiação, e tento sempre arranjar oportunidades profissionais que me permitam não contribuir com nenhum sindicato. 

Acredito em buscar sempre a maior liberdade possível para as pessoas, seja social ou econômica, porém acredito igualmente que a vida em sociedade envolve certas concessões e que somos todos adultos e capazes de avaliar prós e contras em busca de um equilíbrio entre essas duas batalhas. Por isso, acabo tendo um certo pendor pela economia comportamental, ou o "libertarianismo paternalista" como costumam ser jocosamente definidos.